Anuncio
Religião

Organização cristã comemora 200 milhões de Bíblias na China: `Deus fez acontecer´

Mais de 85 milhões de cópias foram distribuídas para as igrejas chinesas, incluindo versões em Braile e em 11 línguas minoritárias étnicas

18/11/2019 19h17Atualizado há 4 semanas
Por: Redacao
Fonte: CPADNews
203

A China bate um novo recorde mundial na impressão de Bíblias com a produção de 200 milhões de exemplares do livro sagrado.

 

As impressões são feitas pela Amity Printing Company (APC) da China, que estão produzindo Bíblias cada vez mais rápido.

 

As primeiras 100 milhões de Bíblias impressas pela empresa sediada em Nanjing levaram 25 anos, com o marco de 100 milhões atingido em 2012. Em apenas sete anos, a Amity Press produziu mais 100 milhões de Bíblias, totalizando 200 milhões de cópias este ano.

 

Líderes da igreja e oficiais do governo chinês se uniram a líderes das Sociedades Bíblicas Unidas (UBS) em 11 de novembro, quando a gráfica produziu a 200 milhões de exemplares.

 

“Foi uma celebração maravilhosa da parceria entre a Amity Foundation, a igreja na China e a igreja em todo o mundo”, declarou Melissa Lipsett, da Sociedade Bíblica da Austrália. “Demonstra o incrível impacto que pode ser causado quando nos unimos atrás de uma visão.”

 

Melissa disse ainda que "este marco incrível representa a Bíblia sendo colocada nas mãos e no coração de milhões de cristãos chineses; um feito notável que somente Deus [poderia ter feito]."

 

O feito é ainda mais notável tendo em conta que a China é um país comunista onde não há liberdade religiosa.

 

Distribuição na China

 

"Das 200 milhões de Bíblias impressas, mais de 85 milhões de cópias foram impressas e distribuídas para as igrejas na China, incluindo cópias em Braile e Bíblias em 11 línguas minoritárias étnicas", anunciou Qiu Zhonghui, Presidente do Conselho da Amity Foundation, em uma celebração para a Bíblia 200 milhões.

 

“Desde 2003, a APC começou a aumentar a impressão da Bíblia para distribuição no exterior e, até o momento, já imprimiu 115 milhões de cópias da Bíblia em mais de 140 países e territórios”, explica o presidente.

 

A Eternity contou a história de como a impressão da Bíblia foi reiniciada na China nos anos 80, pelos olhos do australiano David Thorne, que desempenhou um papel fundamental.

Painel comemora marca de 200 milhões de Bíblias impressas. (Foto: Reprodução/Eternity)

Hoje, a Amity Press ocupa uma fábrica moderna do tamanho de duas ovais da AFL em Nanjing, uma das cidades em expansão da China. Seiscentos funcionários imprimem, encadernam e enviam Bíblias e outros livros.

“Nossos pastores amam a Bíblia e usam linguagem compreensível, ensino relevante e ilustrações interessantes para pregar e ensinar as verdades das Escrituras com precisão e clareza”, disse o reverendo Xu Xiaohong, Presidente do Movimento dos Three-Self (as Igrejas Protestantes na China).

"Nossos crentes amam a Bíblia, olhando para a Palavra de Deus como uma lâmpada para os pés. Eles leram a Bíblia para obedecer à verdade, glorificando a Deus e beneficiando as pessoas, prestando testemunho no serviço comunitário”, disse.

O Diretor Geral do UBS, Michael Perreau, parabenizou a APC por alcançar esse marco notável. Ele observou que o estabelecimento da APC e a conclusão de 200 milhões de Bíblias pela imprensa é um milagre que ninguém pode entender.

Ele também refletiu que ainda há pessoas esperando a palavra de Deus em seus próprios idiomas e grupos que ainda não sabem que Deus fala a língua do coração.

"Minha oração seria que, quando a APC celebrar 300 milhões de Bíblias, incluirá todas as pessoas porque a Bíblia é para todos", disse Perreau.

As sociedades bíblicas de todo o mundo subsidiam o papel usado na impressão de Bíblias para a China, tornando a Bíblia o mais amplamente disponível.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários