Fox Trader X
Anuncio
7 de Setembro

Manifestantes criticam governo e militarização de escolas no desfile cívico

Nos cartazes e faixas, o protesto composto por entidades sindicais, partidos políticos, membros de assentamentos e estudantes denunciava as medidas econômicas do governo Bolsonaro, dentre elas a Reforma da Previdência.

07/09/2019 19h20
Por: Redacao
Fonte: cidadeverde.com
292
Fotos: Roberta Aline
Fotos: Roberta Aline

Paralelo ao desfile cívico do 7 de Setembro, um grupo de manifestantes protestou em mais uma edição do Grito dos Excluídos. Para a professora de história, Jéssica Aguiar, o momento não é de comemoração. 

"Sabemos que foi uma independência de cima para baixo, em que o filho do imperador é tido como um dos líderes do processo de independência. Nem em 1822 nem agora podemos nos considerar um povo independente porque o povo continua sendo explorado", disse a militante da CSP Conlutas.

O grupo se concentrou em frente à Assembleia Legislativa e seguiu em marcha pela via sentido Norte da Avenida Marechal Castelo Branco até pararem em frente ao palanque das autoridades.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Paulo Bezerra, o povo brasileiro continua perdendo a liberdade com o que avaliou como a retirada de direitos da população. 

"O patrimônio do país é seu povo. O que vemos é o povo trabalhador desempregado, excluído, desamparado, morando na rua e sendo expulsa das suas terras pelo agronegócio. O povo está sendo empurrado para as periferias, sem estrutura mínima. Estão retirando um dos principais direitos da população que é de envelhecer com direito a aposentadoria ", criticou.

Nos cartazes e faixas, o protesto composto por entidades sindicais, partidos políticos, membros de assentamentos e estudantes denunciava as medidas econômicas do governo Bolsonaro, dentre elas a Reforma da Previdência. 

A moradora da Avenida Boa Esperança, Maria Lúcia de Oliveira, criticou a militarização das escolas nos bairros de periferias.  "Estamos em um momento muito preocupante. Um desfile como esse, as escolas todas militarizadas. Isso é um retrocesso para a história do Brasil. O povo das periferias sempre foi excluído, ainda mais agora num momento de retirada de direitos. Temos que gritar por independência, por liberdade, por democracia participativa", assinalou.

O grupo também denunciava as medidas de bloqueio de recursos para a educação pública e o afrouxamento das leis de proteção ambiental na Amazônia.

Incômodo

Com críticas ao governo e faixas pedindo a saída de Jair Bolsonaro, o Grito dos Excluídos despertou incômodo em apoiadores do presidente que acompanhavam o desfile cívico. Alguns apoiadores de Bolsonaro, vestidos com camisa do capitão Anderson, gritavam o nome do presidente aos manifestantes. O capitão Anderson era presidente do PLS de Teresina e morreu vítima de acidente de trânsito próximo a cidade de Piracuruca, na BR-343, em agosto deste ano.

Flash Valmir Macêdo
[email protected]

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários