Anuncio
Segurança

Piauí é o estado menos violento do Nordeste, revela Atlas da Violência

O município mais violento do Brasil, com mais de 100 mil habitantes, é Maracanaú, no Ceará. Em segundo lugar está Altamira, no Pará, seguida de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte. Dos 20 mais violentos, 18 estão no Norte e Nordeste do país.

05/08/2019 16h52
Por: Redacao
Fonte: cidadeverde.com
380
Foto: Reprodução do Atlas da Violência
Foto: Reprodução do Atlas da Violência

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta segunda-feira(05) um novo recorte do Atlas da Violência. Dessa vez, o estudo Retratos dos Municípios Brasileiros 2019, mostra a taxa de homicídios em 310 municípios com mais de 100 mil habitantes. Os dados referentes a 2017, apontam o Piauí como o estado com menor taxa da região Nordeste com 20,9 homicídios para cada 100 mil habitantes. 

Na região, o estado com maior taxa de homicídios estimada, em 2017, era o Rio Grande do Norte (67,4), seguido por Ceará (64,0), Pernambuco (62,3), Sergipe (58,9), Bahia (55,3), Alagoas (53,9), Paraíba (33,9), Maranhão (31,9) e Piauí (20,9).

Em se tratando de violência letal, o Piauí possuía duas mesorregiões de destaque, sendo elas o Sudeste e Centro-Norte Piauiense. O município Sebastião Barros era o mais violento do Estado (87,7), seguido de Caldeirão Grande do Piauí (70,4) e Vila Nova do Piauí (68,2). Parnaíba, única cidade do interior com mais de 100 mil habitantes, registrou 38 homicídios com taxa estimada de 27,9. 

A capital Teresina apresentou taxa de 39,4, sendo a média dos municípios do estado de 11,4, uma das mais baixas do país. Segundo o Atlas, em 2017 foram registrados 319 homicídios e outros 16 são considerados como "ocultos". 

O número é menor do que o apresentado em 2016, onde foram registrados 374 assassinatos e 12 homicídios ocultos, apresentando uma taxa de 45,5 para 100 mil habitantes.   

Crescimento Norte - Nordeste

De acordo com a pesquisa, elaborada em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mostra que houve um crescimento das mortes nas regiões Norte e Nordeste influenciado, principalmente, pela guerra do narcotráfico, a rota do fluxo das drogas e o mercado ilícito de madeira e mogno nas zonas rurais. "O estudo identifica uma heterogeneidade na prevalência da violência letal nos municípios e revela que há diferenças enormes entre as condições de desenvolvimento humano nos municípios mais e menos violentos", analisa o pesquisador Daniel Cerqueira, coordenador do estudo.

O município mais violento do Brasil, com mais de 100 mil habitantes, é Maracanaú, no Ceará. Em segundo lugar está Altamira, no Pará, seguida de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte. Dos 20 mais violentos, 18 estão no Norte e Nordeste do país.  

Os desafios no campo da segurança pública no Brasil são enormes, na avaliação do coordenador do estudo. “Há luz no final do túnel para dias com mais paz no Brasil e a luz passa por políticas focalizadas em territórios vulneráveis”, acredita Cerqueira.  

“Quando essas políticas são feitas e concatenadas com a política de qualificação do trabalho policial, com inteligência e boa investigação, se consegue, a curto prazo, diminuir os homicídios no país”, afirma.   

A solução, sugerida pelo estudo conjugaria três pilares fundamentais. Em primeiro lugar, o planejamento de ações intersetoriais, voltadas para a prevenção social e para o desenvolvimento infanto-juvenil, em famílias de situação de vulnerabilidade. Em segundo lugar, a qualificação do trabalho policial, com mais inteligência e investigação efetiva. Por fim, o reordenamento da política criminal e o saneamento do sistema de execução penal, de modo a garantir o controle dos cárceres pelo Estado.

Veja o mapa completo do Atlas da Violência - Retratos dos Municípios Brasileiros 2019

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários