Anuncio
Decepção

Sheherazade diz que Moro e Dallagnol a enganaram

Em junho de 2019 ela descobre que a Lava Jato tinha um projeto político...

12/06/2019 20h41
Por: Redacao
Fonte: Conversa Afiada Via Revista Forum:
299
A Sheherazade acreditava nas boas intenções da República de Curitiba. Tadinha... (Reprodução/SBT)
A Sheherazade acreditava nas boas intenções da República de Curitiba. Tadinha... (Reprodução/SBT)

Apoiadora ferrenha de Sergio Moro e da operação Lava Jato em tempos passados, a jornalista do SBT Rachel Sheherazade gravou um vídeo, divulgado nesta terça-feira (11) nas suas redes sociais, onde diz que foi enganada sobre as “boas intenções” do ex-juiz e dos investigadores, que fazem parte “de um projeto de poder político”.

Segundo ela, ambição política e revanchismo hoje mancham a até então “imaculada imagem da operação Lava Jato”.

“Mensagens trocadas entre Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol são um verdadeiro ataque ao Estado Democrático de Direito. Essas mensagens provam o quando estávamos enganados sobre as boas intenções tanto do juiz, quanto do procurador”, disse, sobre as reportagens publicadas pelo The Intercept.

De acordo com a jornalista, a nomeação de Moro para o Ministério da Justiça de Bolsonaro comprovam que a operação Lava Jato era parte de um projeto político.

“Os vazamentos estratégicos e seletivos antes das eleições presidenciais, a ascensão de Sergio Moro a ministro de Estado e agora a revelação desta intimidade promíscua entre Moro e Dallagnol dão provas de que por trás da luta contra a corrupção, que é justa, havia sim um projeto de poder político. Isso se concretizou com a nomeação de Sergio Moro como ministro da Justiça do presidente Jair Bolsonaro”, afirmou. Confessando desconhecer a sentença e o processo de condenação do ex-presidente – mesmo tornados públicos há mais de um ano -, a jornalista disse que não cabe a ela, fazer “juízo de valor sobre a culpa ou inocência de Lula a quem eu tanto critiquei”, mas ressalta que os “vícios” do processo podem anular a sentença dada ao petista.

“Eu não tive acesso aos autos da condenação de Lula, por isso não posso opinar sobre o mérito do processo. Mas eu conheço o papel do poder judiciário, sei quais são as incumbências do MP e do juiz. Uma coisa é certa, o juiz não pode orientar qualquer uma das partes. Não trata-se apenas de um desvio ético, trata sim de um vício processual que pode tornar nulo a investigação criminal, o processo judicial e a própria sentença condenatória”, disse.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários